Exposição Coletiva de Pintura Envelhecer Fora do Armário

12928161_272936806371438_3705977851740686362_n

Envelhecer Fora do Armário

A Biblioteca Arquitecto Cosmelli Sant’Anna, da Freguesia de Santo António e a Opus Gay têm o prazer de acolher a exposição coletiva de pintura, promovida pela Associação Opus Gay, Envelhecer Fora do Armário. Esta exposição reúne 9 artistas de primeira linha, nacionais e estrangeiros (Carlos Barahona Possolo, Colin Ginks, Graça Martins,José Grazina, Joana Estrela, Maria da Conceição Vidal, Mick Bateman,Óscar Alves, Sérgio Pires), que se juntam à causa queer para ensinar direitos humanos, em nome da arte, fazendo da mesma um acontecimento raro e inovador.

O projecto Envelhecer fora do Armário, promovido pela Associação Opus Gay, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, chama a atenção para a problemática sentida pelos seniores, em especial dos LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgénero).

Esta causa visa combater o chamado “regresso ao armário” de indivíduos que vivem remetidos à vergonha e ao isolamento e que merecem viver a sua velhice de uma forma plena, sem medos nem receios. Acredita-se ainda que a população sénior LGBT poderá constituir uma fonte de determinação para os mais jovens que convivem diariamente com situações de homofobia e discriminação social, resultante da sua orientação sexual.

A inauguração terá lugar no dia 7 de abril, quinta-feira, pelas 18 horas, na sala de exposições da Biblioteca Arquitecto CosmelliSant’Anna. A mostra estará patente até dia 22 de abril, de segunda a sexta-feira, entre as 10 e as 18 horas.

Local: Biblioteca Arquitecto Cosmelli Sant’Anna (Rua de São Mamede, 7, Lisboa)
Dia: 7 de abril
Hora: 18h

Para mais informações contacte:
Biblioteca Arquitecto Cosmelli Sant’Anna
Sofia Knapi
Email:  biblioteca@jfsantoantonio.pt

Ou

Liliana Ribeiro
Email:  lilianaribeiro@opusgay.org

Projeto Envelhecer Fora do Armário, com o Apoio da Câmara Municipal de Lisboa

logo_final_Page_1

Este projeto visa combater o regresso ao armário de indivíduos, que em muitos casos vivem remetidos à vergonha e ao isolamento, e que merecem viver a sua velhice de uma forma plena, sem medos, receios e ansiedades que os anulem enquanto seres humanos e cuja experiência de vida, poderá constituir uma mais-valia e uma fonte de determinação e coragem para os mais jovens que convivem diariamente com situações de homofobia, violência doméstica e discriminação social em função da sua orientação sexual.

Com o Apoio da Câmara Municipal de Lisboa

Doc1